Orienta-te Redes Sociais

Jornal "O Espelho"

Protesto

"O Espelho", jornal de parede em Lisboa para receber Merkel

“O Espelho é uma única folha muito grande, versão jornal de parede século XIX", e reúne jornalistas, artistas plásticos, arquitectos, fotógrafos, uns empregados e outros desempregados

Texto de Lusa • 12/11/2012 - 12:38

Distribuir

Imprimir

//

A A

O jornal de parede “O Espelho” foi colado na madruga desta segunda-feira à noite nas paredes de Lisboa com textos sobre a Europa, a crise e Angela Merkel no dia em que a chanceler visita Lisboa.

 

O Espelho é uma única folha muito grande, versão jornal de parede século XIX, é uma tentativa que serve para provar que a verdade, numa altura de Armagedão para a Comunicação Social, não precisa nem de grupos económicos nem de ministros à ´la Miguel Relvas’ e que se pode usar energias para participar, em nome da verdade”, disse à Lusa o jornalista Luís Gouveia Monteiro que assina um dos artigos do primeiro número do jornal.

 

O Espelho foi pensado no princípio do verão de 2012 e reúne jornalistas, artistas plásticos, arquitectos, gráficos, fotógrafos, uns empregados e outros desempregados, e que começou como um panfleto distribuído em manifestações na capital. Para este primeiro número, O Espelho publicou dois mil exemplares que estão a ser colados nas paredes de vários pontos da capital e que vão ser distribuídos a partir das 13h00 no Largo do Calvário, Lisboa, local de onde parte em direcção ao Palácio de Belém, uma das manifestações de protesto contra a visita da chanceler alemã Angela Merkel.

 

“O primeiro número tem um editorial não assinado porque é subscrito por todos, e inclui dois textos sobre o futuro de Portugal: um assinado por Paulo Varela Gomes que sugere a queda dos regimes dos países do Mediterrâneo, saída da Europa e do Euro e defende que os países do sul europeu se devem juntar ao Magreb e outro texto de Joana Gomes Cardoso que ainda deposita confiança na Europa”, explicou Luís Gouveia Monteiro que escreveu o perfil de um jovem de 19 anos com o título “Miguel, o futuro da Europa”.

 

Um projecto de comunicação

O jornal publica ainda um longo ensaio sobre a crise, a ética e os valores assinado pela escritora Dulce Maria Cardoso e ainda um outro texto, de João Pacheco, sobre hábitos alimentares, entre outros.

 

De acordo com Luís Gouveia Monteiro O Espelho é um “projecto de comunicação” que pretende contrariar a ideia de que não se pode enfrentar o século XXI com ideias do século XX.

 

“São inaceitáveis estas ideias feitas de austeridade versus crescimento, papel versus Internet e recusamos a falta de profundidade que existe hoje em dia na imprensa portuguesa”, afirmou. “Neste momento com jornalistas a serem despedidos às centenas, há jornalistas que são despedidos de manhã e que estão a bater à porta de O Espelho da parte da tarde” diz Gouveia Monteiro que não rejeita a ideia de que o jornal de parede pode transformar-se num projeto sólido e com financiamento e que “possa um dia gerar empregos”.

 

“Por enquanto fizemos uma coleta, cada um contribuiu com 10 euros e imprimimos dois mil exemplares, por enquanto não assumimos qualquer periodicidade e se não houver dinheiro vamos escrever directamente nas paredes, sempre que houver verdades para contar e ideias para debater” concluiu um dos fundadores do jornal que sai hoje à noite colado nas paredes de Lisboa.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Fotografia

Antropólogo apaixonado por fotografia tem milhares de imagens de lugares abandonados, entre Portugal e outros países. Agora, o seu "Proj3ct Urbex" está num...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...