Orienta-te Redes Sociais
Calita Fonseca, mãe, blogger e mais não sei o quê

Calita Fonseca, mãe, blogger e mais não sei o quê

The Burning House

The Burning House Graeme McNee

DR

Mundo = as pessoas que querem partilhar + as outras todas

Crónica

Mundo = as pessoas que querem partilhar + as outras todas

Há um mundo antes e outro depois do Google - eu sei que para muita gente isto é um choque, mas já existiu um mundo sem Google

Texto de Calita Fonseca • 04/03/2012 - 16:26

Distribuir

Imprimir

//

A A

Ocorreu-me que esta coisa de partilhar com os outros as nossas ideias não é de agora, quer dizer, ainda não sabíamos escrever e já queríamos mostrar aos outros como éramos espectaculares a caçar bisontes e, numa associação de ideias imediata e sem fundamentação, começa a parecer-me óbvio que os desenhos das cavernas tenham sido feitos por mulheres, porque são as mulheres quem mais gostam de partilhar, certo?

 

Errado, diz-me o Google, quando lhe pergunto se há mais blogues femininos ou masculinos, ao apresentar-me umas estatísticas que dizem que um quinto dos bloggers (blogueres? Blogueiros?) são homens. É por isso que eu digo que há um mundo antes e outro depois do Google – eu sei que para muita gente isto é um choque, mas já existiu um mundo sem Google. Era um mundo muito menos redondo, é certo, e com muitos mais telefones fixos, fax e telex, mas não deixava de ser o mundo.

 

O que nunca existiu foi um mundo sem pessoas com vontade de partilhar. Aliás, eu estou convencida que o mundo se divide em dois tipos de pessoas: as que têm de partilhar as suas ideias e as que não têm. É assim desde sempre, ou desde que vivíamos nas cavernas pelo menos, seja com as coisas mais importantes como, sei lá, a crença de Copérnico no heliocentrismo, ou com as mais prosaicas como a descrição do filósofo indiano, Vatsyayana, sobre como devem duas pessoas heterossexuais usar o corpo para obter prazer, no Kama Sutra.

 

Também é possível que tenham existido sempre pessoas que gostam de catalogar outras pessoas dividindo-as em dois, ou mais, grupos distintos. Por exemplo, há quem diga que o mundo se divide entre pessoas que querem ter coisas e pessoas que preferem ter experiências; ou quem defenda que há os enquadrados de um lado e os estranhos do outro e, claro, os que acreditam que no mundo existem as pessoas que vão para o céu e as que estão condenadas ao inferno (o purgatório é, digamos, a sala de espera para um desses sítios).

 

Mas estou a desviar-me do assunto. O que eu quero dizer é que hoje em dia existem os meios para que essa partilha, a das nossas vivências, seja levada ao extremo e por isso é natural que se encontre de tudo nesse café que é a blogoesfera. Há quem ache muito relevante dizer ao mundo que está gorda, ou quem queira explicar como poupar dinheiro com vales de desconto, por exemplo, mas neste momento não consigo desviar o olhar da mesa do canto, onde está um grupo de pessoas a contar o que salvariam de casa se esta estivesse a arder.

 

Eu acho que além das pessoas não salvava nada, até porque se a casa estivesse a arder o mais provável é que tenha sido eu a pegar-lhe fogo, mas se alguém quiser partilhar as suas coisas valiosas é enviar a foto e legendas para a tal mesa.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Tecnologia

Até ao fim de Outubro, os utilizadores da aplicação Juntar a Junta podem submeter sugestões para a melhoria das suas freguesias. Em Novembro, as ideias vão ser...

A casa de Ansião é uma mistura de...

Arquitectura // A casa vive para dentro, como um gruta. Ali, no pátio central, tudo é intimista...