Orienta-te Redes Sociais
Para Sarah Harmon, que vive em Madrid, "as pessoas ainda estão a contratar na Pe

Para Sarah Harmon, que vive em Madrid, "as pessoas ainda estão a contratar na Península Ibérica" DR

Dos mais de 280 milhões de membros do LinkedIn em todo o mundo, cerca de 1,7 mil David Loh/Reuters

Audio

Sarah Harmon fala sobre aquilo que os recrutadores procuram num candidato

Como se devem posicionar online os desempregados?

Redes sociais

Cinco conselhos para valorizares o teu perfil no LinkedIn

Não fazer do perfil no LinkedIn um currículo online e contar uma história de vida são alguns dos conselhos que Sarah Harmon, responsável da empresa para a Península Ibérica, dá a quem procura emprego. "Ainda há pessoas a contratar ", diz ao P3

Texto de Ana Maria Henriques • 17/03/2014 - 11:50

Distribuir

Imprimir

//

A A

Em Portugal há cerca de 1,7 milhões de utilizadores activos no LinkedIn, a rede social lançada em 2003 e vocacionada para o mercado profissional. “É uma população mais jovem”, com perfis “relativamente standardizados” e não, apenas, qualificada: “Vemos muito mais diversidade no tipo de profissional que se junta ao LinkedIn, o que é óptimo”. Quem o diz é Sarah Harmon, responsável desta empresa para a Península Ibérica, à margem da QSP Summit 2014, em Matosinhos. Não se sabe quantos destes utilizadores estão à procura de emprego ou de mudança de carreira, nem quantas pessoas — a nível mundial — o conseguiram através do LinkedIn. “Sabemos, isso sim, que o processo de recrutamento na nossa rede demora metade do tempo ou ainda menos. E também sabemos que as pessoas que são aqui recrutadas passam mais tempo nas empresas”, sublinha Sarah, em entrevista ao P3.

 

A trabalhar e a viver em Madrid, Sarah conhece a realidade do mercado de trabalho espanhol e português. “Ainda há empregos, as pessoas ainda estão a contratar na Península Ibérica. E parte do problema que vemos neste momento é que o conjunto de capacidades que temos não corresponde às vagas de emprego disponíveis.” Para se ser bem sucedido, resume, “é preciso saber o que se quer”. Os recrutadores “têm muito pouco tempo” e o segredo está em “captar a atenção rapidamente” — no LinkedIn e fora dele. “Tipicamente procuram alguém que preenche todas as suas necessidades”: pode ser um certo conjunto de capacidades, uma questão de geografia e experiência profissional anterior.

 

Como ter um perfil do LinkedIn que atraia recrutadores? Sarah Harmon tem cinco conselhos, válidos para os mais de 280 milhões de membros da rede em todo o mundo.

 

Apostar na fotografia

Um perfil numa rede como o LinkedIn não está completo enquanto não partilhares uma fotografia, de preferência profissional e bem cuidada. Fotografias mal recortadas e em ambientes demasiado descontraídos não transmitem uma imagem benéfica para quem procura colaboradores.

 

Contar uma história

“Não uses o perfil como um currículo online. Conta a tua história.” E a história de cada um, diz, “é mais do que o conjunto de capacidades, do sítio onde vive e dos passatempos” — é isso tudo junto, uma “marca pessoal”. “Só porque uma pessoa não tem muita experiência profissional não significa que não tem aptidões aplicáveis no mercado de trabalho.”

 

Procurar inspiração

O LinkedIn é uma “óptima plataforma para encontrar informação”. “Sê activo, junta-te a grupos com os quais partilhas interesses, segue as empresas com as quais gostavas de trabalhar”, aconselha Sarah. Ler e usar essa informação é, também, fundamental.

 

Gerir o perfil

“Não te limites a publicar informação. Torna o teu perfil em algo vivo.” O conteúdo deve ser constantemente alterado e actualizado. “Quanto mais dinâmico é um perfil, maior a probabilidade de as pessoas de te encontrarem.”

 

Ser coerente

“Certifica-te que estás a usar terminologia comum quando falas das tuas capacidades: o que significa ser um bom comunicador ou um bom programador?” Não descrever apenas o que se fez mas sim o que se aprendeu é, para Sarah Harmon, distintivo.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Redes sociais

Mário Tarouca

Sem Facebook, sem Instagram, sem Linkedin. “Adiós! See yaaa! Adeus!”: Mário Tarouca despediu-se dos “amigos” das redes sociais para viver um mês sem a pressão...

Ser mãe é a melhor coisa do mundo?...

Ilustração // Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ser mãe nem sempre é a melhor coisa do mundo...