rawpixel/Pexels

Crónica

Sou um professor contratado… e revoltado

Isto é tudo muito bonito se tiver emprego, ou já se esqueceu desta ansiedade de Setembro, Outubro, Novembro, sempre à espera de um telefonema, de uma carta, de algo ou alguém que nos diga, finalmente, que tenho emprego?

Texto de João André Costa • 10/08/2017 - 12:10

João André Costa
João André Costa criou o blogue Dar aulas em Inglaterra

Distribuir

Imprimir

//

A A

Aqui há uns dias, a minha colega, a quem cumprimento desde já, dedicou parte do seu tempo a relatar-nos as mil e uma maravilhas de se ser professora contratada e feliz, de casa às costas, mas procurando ver o lado positivo desta vida itinerante, não sendo uma cidadã do mundo, mas do seu país, conhecendo gentes e lugares, modos de viver e pensar, praias, restaurantes, monumentos e cafés, assim é a vida de quem vive a contrato.

 

Ora, colega, isto é tudo muito bonito se tiver emprego, ou já se esqueceu desta ansiedade de Setembro, Outubro, Novembro, sempre à espera de um telefonema, de uma carta, de algo ou alguém que nos diga, finalmente, que temos emprego?

 

Mas não se preocupe, colega, pois não é a única e conheço tantos assim, todos os dias no "trombas" à procura de transformar as suas vidas miseráveis em vidas modernas, cheias de experiências fashion e multiculturais.  

 

Afinal, como professora contratada vai ser sempre muito difícil ter dinheiro para conhecer o mundo, por isso estas vivências enquanto se anda com a casa às costas e a vida às costas por esse Portugal fora.

 

Aliás, e aqui estamos de acordo, seguindo esta vida de caixeiro viajante, nunca precisará de muitos objectos, bastando um par de cuecas e uma escova de dentes, que fresca, sei lá, e Portugal será a sua ostra. 

 

No entanto, repare, este modo de vida que defende não é senão a subversão da realidade que nos querem impor, que me querem impor, caso contrário o que levará a colega no fim da sua vida activa? Nunca terá uma casa sua, uma família sua para onde possa voltar ao fim de cada dia. A sua visão é conformista e as palavras uma desculpa constante, sem esquecer a promoção contínua da precariedade na qual a colega vive e de onde, a falar assim, nunca sairá. Peço-lhe, no entanto, que não arraste todos os outros, os professores contratados e os profissionais contratados deste país todo, deste mundo todo, consigo, pintando a ouro e areia para os olhos uma vida que nunca devia ser.

 

Porque, por mais que tente olhar para o copo meio cheio, é como se nos dissesse em cada frase, em cada palavra, “eu agora só tenho cancro, mas como só tenho cancro de um lado do corpo, deste lado não tenho”. Colega, o problema está lá, não vale a pena escondê-lo, toda a gente sabe que perdemos o cabelo, a colega também, e este lenço na cabeça que é o seu relato pode ser muito bonito, mas...

 

Portanto, é consigo. Se se quer conformar, conforme-se, nunca vai ter filhos ou um parceiro estável, e se agora não custa nada, como será aos 50 ou 60, ou naquela festa de despedida aos 64 sem saber ainda por onde vai andar, se for andar, em Setembro, Outubro ou Novembro?

 

Já sei, já sei, hoje em dia temos o Skype, o “Fuças” e a net, e hoje é tudo tão leve e fácil e podemos manter o contacto com tudo e todos quantos deixámos por todas as escolas de Portugal, o copo está mesmo meio cheio e o velho do Restelo sou eu.

 

Mas então e a continuidade pedagógica, colega? E então esta necessidade premente de garantir que os alunos, os seus alunos, terão a mesma professora e o mesmo professor ano após ano? Porque no fim a colega está-se pouco marimbando para os alunos ou para dar aulas, egoisticamente tentando tirar proveito desta incerteza laboral sem nada fazer para mudar a sua, a nossa, situação.

 

Por acaso fará parte de um sindicato? Um sindicato não, que são todos comunistas, vade retro!

 

E os alunos que se lixem, a colega está primeiro e quem lhes dê aulas para o ano que se lixe também! Boa, colega, eu também não gosto desta minha situação, mas venho para a rua, protesto e faço greve, discuto, escrevo, passo a palavra, educo, ensino os meus alunos e falo-lhes de política, de direitos e trabalho até que um dia me venham prender no meio das pilhas de testes corrigidos, pais por educar, aulas planeadas (a política não faz parte do currículo, e do seu não faz certamente).

 

Não quer assumir que é uma coitadinha, tal como quem sai do país não é emigrante mas antes um aventureiro, empreendedor, no fim à procura de empreender o que Portugal não deixa ou não tem (bullocks).

 

A sua realização profissional é uma grande festa, todos os anos faz amigos, enche a pança entre restaurantes e cafés, vai à praia. E então o sentimento de carreira, um projecto, ou projectos, a longo prazo, fazer a diferença no local de trabalho? Porque se a vida é para isto, então trabalhe num supermercado, onde não comprometa a educação dos meus filhos.

 

Acredita que um dia vai fazer parte de um agrupamento, encontrar alguma estabilidade. Não enquanto continuar a escrever assim e a repetir para os jornais, e para quem se senta ao seu lado no café, as mil e uma maravilhas da instabilidade. 

 

Porque, como muitos, dedica-se a enterrar a cabeca na areia à espera que tudo passe, à espera de um lugar no quadro, apenas por sorte ou porque Deus quis, não merecido.

 

Colega, combater o sistema, este sistema, não vai dificultar a sua vida, antes pelo contrário.

 

Resumindo, a colega afirma ser feliz com o que tem. Quantos poderão dizer o mesmo? Felizmente, ou infelizmente, ninguém. Nem tu. 

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que