Investigação

Está cientificamente provado: esta música faz os bebés felizes

Casper Addyman é especialista em riso de bebé, Lauren Stewart em psicologia musical. A música que fizeram juntos faz os bebés sorrir, garantem

Texto de P3 • 14/02/2017 - 11:59

Distribuir

Imprimir

//

A A

Que os bebés se deixam encantar por música é uma conclusão que qualquer observação minimamente atenta pode concluir. Mas não é apenas empirismo. Há estudos que sugerem que os bebés ouvem e recordam músicas mesmo quando ainda estão no útero, que preferem vozes femininas e até que gostam mais de Bach do que de Aerosmith. Havia, no entanto, uma importante questão por responder: que género de música acalma e alegra os bebés?

 

Casper Addyman é especialista em riso de bebé, Lauren Stewart em psicologia musical. Há tempos, a C&G baby club desafiou-os para criarem uma "música cientificamente criada para fazer bebés felizes". A ideia era posteriormente presentear os pais que seguem a plataforma com a melodia.

 

A dupla, docente na Universidade de Londres, tinha experiência no assunto. Addyman tinha um projecto chamado "Baby Laughter", Stewart tinha estudado músicas que, sem explicação, parecem não sair da nossa cabeça. Com esse background, e investigação sobre o que outros autores tinham já descoberto, contactaram Imogen Heap, compositora britânica vencedora de um Grammy que era também mãe de um bebé com 18 meses. Os dois investigadores passaram-lhe os resultados da sua investigação: uma música para fazer bebés felizes devia ser simples e repetitiva, com melodias alegres, com tambores, picos sonoros que criem expectativa. E ter uma voz feminina.

 

Imogen Heap criou quatro músicas — duas mais aceleradas, duas mais lentas — para serem testadas em "laboratório". Com 26 bebés, com idades entre os seis e os 12 meses, a "experiência" correu como os investigadores previam: os mais pequenos preferiram a música mais acelerada. A música foi, então, construída a partir daí (e de um inquérito online ao qual 2500 pais responderam dizendo que os filhos achavam mais graça a sons como "bu", espirros, gargalhadas de outros bebés e sons feitos por animais).

 

O resultado final foi filmado e, conta Casper Addyman num artigo publicado na Quartz, os bebés mostraram-se bastante felizes. Vamos testar?

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que