Orienta-te Redes Sociais
“Em termos numéricos, [os alunos] não vão ter lugar em Portugal”, acredita o bas

“Em termos numéricos, [os alunos] não vão ter lugar em Portugal”, acredita o bastonário Nuno Ferreira Santos

Bastonário acredita que “a falta de médicos era uma falta relativa, que decorria da má organização do SNS" Nelson Garrido

Ensino Superior

Curso de Medicina de Aveiro é "muito despesista" e deve fechar

José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos, diz que há demasiados cursos de Medicina no país. Curso de Aveiro é "absolutamente inaceitável e incompreensível"

Texto de Mariana Correia Pinto • 29/12/2011 - 11:00

Distribuir

Imprimir

//

A A

O curso de Medicina da Universidade de Aveiro, que arrancou em 2009, é “mais uma alternativa de emigração” para quem já não tinha emprego em Portugal e devia encerrar. A afirmação é do bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, que apelida a criação do nono curso de Medicina do país de “absolutamente inaceitável e incompreensível”.

 

“É para nós absolutamente chocante que, dizendo o Governo que não tem dinheiro para tratar os doentes, que não tem dinheiro para atribuir às universidades, falando o Governo continuamente em concentração de recursos e instituições, esteja, por exemplo, a manter o curso de Medicina de Aveiro, que é o nono curso em Portugal, quando só precisávamos de cinco cursos”, lamenta.

 

"Decisão meramente política" 

A criação do curso de mestrado de Aveiro, destinado a alunos licenciados, “é uma decisão meramente política, que se destina a satisfazer vaidades paroquianas”, afirma. O bastonário acredita que este curso servirá apenas para exportação, uma que vez que, “em termos numéricos, [os alunos] não vão ter lugar em Portugal”.

 

“O que propomos é que se poupe dinheiro ao país, encerrando o curso de Medicina de Aveiro, que é muito despesista, e que os jovens que entraram sejam distribuídos pelas outras faculdades”, diz José Manuel Silva, em entrevista ao P3.

 

Já não há lugar para jovens médicos

Na opinião do bastonário da Ordem dos Médicos, o excesso de licenciados é já óbvio e os hospitais não têm lugar para os jovens médicos: “A falta de médicos era uma falta relativa, que decorria da má organização do Serviço Nacional de Saúde (SNS) – e, aliás, este ministro da saúde veio reconhecê-lo ao dizer que havia cerca de mil médicos a mais actualmente nos hospitais”.

 

O congelamento de contratações na função pública e a concentração de recursos no SNS vai piorar ainda mais a situação dos médicos no país: “Os jovens são obrigados a emigrar para o estrangeiro. Neste momento, ninguém está a salvo dessa potencial necessidade”.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Arquitectura

Fica na Avenida Camilo, no Porto, e ocupa uma área total de fazer inveja: 5800 metros quadrados. Bem-vindos à BLIP, empresa tecnológica portuguesa, detida por...

Ser mãe é a melhor coisa do mundo?...

Ilustração // Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ser mãe nem sempre é a melhor coisa do mundo...