Orienta-te Redes Sociais

Dato Daraselia

Ideias

Porto Paralelo: eles querem recuperar negócios com mais de 50 anos

O trabalho está a ser feito com os proprietários das lojas, por zonas e por ruas, de forma a melhor organizar o comércio urbano

Texto de Fabio Rodrigues • 05/09/2013 - 14:07

Distribuir

Imprimir

//

A A

O Porto Paralelo é isso mesmo, o que o próprio nome indica. A ideia nasceu, há um ano e meio, na cabeça de Marta Nestor, quando estava a fazer o projecto de licenciatura.

 

Nessa altura, pensou em fazer um roteiro de estabelecimentos de comércio tradicional, porque se deparou com fachadas muito devolutas e com uma enorme falta de informação sobre comerciantes e clientes.

 

Formou-se, então, uma equipa de cinco elementos, que foi desenvolvendo o conceito do Porto Paralelo. E o conceito é este: reabilitar negócios com mais de 50 anos de existência no Porto, caídos no esquecimento e dos quais quase ninguém se recorda.

 

Marta e Margarida são designers de comunicação. Hugo Pereira é responsável pela área de "marketing". Tiago está a cargo da gestão de finanças. O último, Carlos, comanda a área estratégica. "O nosso objectivo é corrigir a lacuna de informação e tentar chegar aos comerciantes", disse Hugo Pereira ao P3. Assim, desde Janeiro que o grupo está a fazer um mapa das lojas de comércio tradicional do Porto com mais de 50 anos.

 

"Websites" e "workshops"

Os serviços serão propostos em três áreas distintas: "website" e aplicação móvel, plataforma e congregacão de toda a informacão. Irão fazer "workshops" e visitas guiadas para a população e turistas, nos quais pretendem "valorizar o conhecimento e levar pessoas às lojas", garante Hugo Pereira.

 

O trabalho está a ser feito com os proprietários das lojas, por zonas e por ruas, de forma a melhor organizar o comércio urbano. Todos os serviços fornecidos, que podem incluir apoio burocrático, estão a ser gratuitos, pelo menos para já. Algumas das suas intervenções já aconteceram. A Casa das Luvas e uma loja de vestuário para tunas viram as suas montras reorganizadas.

 

Hugo Pereira disse ao P3 que "o projecto já possui uma quantidade de informação suficiente para abrir portas a todo o vapor este mês". Mas explica que é preciso criar uma "politica de zona: existe uma falta de congregação, que faz (o comércio tradicional) perder terreno para com os centros comerciais". Na sua opinião, o comércio tradicional precisa de "sincronizar calendários, ofertas e comunicação".

Eu acho que
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Aplicação

Basta uma notificação com um alerta de SOS para pôr todos os utilizadores da Pet Finder, num raio de 60 quilómetros, a ajudarem-te a encontrares o teu animal...

Salvador, o vencedor do Festival da...

Ilustração // A euforia começou por ser portuguesa: Salvador Sobral interpretou a canção que...