Crowdfunding

Estes relógios de design nórdico são um sucesso no Kickstarter — e têm toque português

"Startup" dinamarquesa Nordgreen conseguiu em apenas duas horas o financiamento pedido no Kickstarter. E há um português nos bastidores: o "growth hacker" Daniel Rocha

Texto de Miguel Dantas • 22/01/2018 - 19:56

Distribuir

Imprimir

//

A A

Foi "uma decisão de fim-de-semana" que lhe pode ter mudado a vida. Estava o seixalense Daniel Rocha em Copenhaga a estudar Gestão quando um amigo lhe falou do projecto da Nordgreen, uma startup especializada em relógios de luxo com design escandinavo. Era uma sexta-feira; na segunda-feira, depois de um rápido contacto com os fundadores, já se encontrava a trabalhar. Agora, seis meses depois, o português é um dos responsáveis pelo sucesso desta empresa, que, em apenas duas horas, conseguiu angariar 13 mil euros na plataforma de crowdfunding Kickstarter. Largamente, aliás: a soma já vai agora nos 130 mil euros. 

 

“Quando lá cheguei, havia apenas uma ideia”, atesta, em conversa com o P3, o jovem. Desde então, a empresa cresceu a olhos vistos e até o famoso designer dinamarquês Jakob Wagner se juntou aos fundadores Vasilij Brandt e Pascar Sivam, tendo desenhado a primeira colecção.

 

A Nordgreen é uma empresa que faz relógios. Pondo as coisas desta forma, não se percebe o motivo para este negócio ter conseguido arrecadar uma soma tão avultada, proveniente de mais de 900 pessoas. Mas Daniel explica. A empresa tenta, fundamentalmente, incorporar os “valores dinamarqueses” nos seus produtos, autênticos cânones de vida como a simplicidade, a elegância e o equilíbrio, além de querer comercializar peças de design escandinavo a preços mais acessíveis. Nesse sentido, existem três relógios disponíveis — Philosopher, Infinity e Native — com diferentes cores e correias. 

 

Um relógio que também é solidário

Aliada à vertente empresarial, a empresa tem também uma forte componente solidária. Cada relógio vendido permitirá apoiar uma de três causas. “Queríamos ter causas relevantes e perguntámo-nos a nós mesmos o que é que o mundo realmente necessitava”, refere Daniel. Os interessados têm a possibilidade de contribuir na área da Saúde (permitindo que uma pessoa tenha dois meses de acesso a água potável em África), da Educação (subsidiando durante um mês a formação de uma criança indiana) e do Ambiente (preservando 200 metros quadrados de floresta na América Latina).

 

Na opinião de Daniel, este cariz solidário reflecte a própria mentalidade dos habitantes de Copenhaga: “A qualidade de vida aqui é bastante elevada e as pessoas gostam de ajudar os outros”. A preocupação agora é manter este boom inicial e “aumentar as vendas para fazer crescer a empresa nos próximos anos”, diz o jovem, que trabalha como growth hacker da startup. Ou seja, está responsável por todo o crescimento, da estratégia da marca à aquisição de novos clientes. 

 

Actualmente, trabalham no escritório 25 pessoas de diferentes nacionalidades. "Temos pessoas da China, Japão, Chile, Suécia, Alemanha e de vários outros países", diz Daniel, sublinhando que esta também é uma forma de se preparem para o iminente lançamento da empresa em 14 países em simultâneo. Esta diversidade "facilita" a entrada nos mercados e não exige à equipa um "trabalho redobrado" no conhecimento destes. 

 

A campanha de crowdfunding no Kickstarter termina a 2 de Fevereiro e os primeiros produtos devem ser enviados em Março. Para já, ainda estão disponíveis relógios a aproximadamente 130 euros. 

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que