Projecto

Alentejo recebe programa de combate ao desemprego jovem

"PRO-MOVE-TE" vai ser desenvolvido em nove concelhos do Alto Alentejo até 2020. Se correr bem pode ser alargado ao resto do país

Texto de Lusa • 21/06/2017 - 10:33

Distribuir

Imprimir

//

A A

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, mostrou-se convicto de que o novo programa para combater o desemprego jovem no Alto Alentejo vai ter sucesso, esperando alargar o projecto a todo o país. O programa "PRO-MOVE-TE" vai ser desenvolvido em nove concelhos do Alto Alentejo (Alter do Chão, Campo Maior, Elvas, Fronteira, Marvão, Nisa, Portalegre, Ponte de Sor e Sousel) até 2020 e pretende apoiar os jovens, contribuindo para o desenvolvimento de competências e auxiliá-los na inserção laboral.

 

"Vamos verificar se será possível alargá-lo [o programa] a mais concelhos e se for uma boa experiência, como eu estou convicto que vai ser, poderemos pensar ter à escala nacional um apoio a este tipo de iniciativas", disse. Vieira da Silva falava aos jornalistas em Campo Maior, no distrito de Portalegre, na apresentação do "Fórum de Empregabilidade Jovem no distrito de Portalegre", inserido no programa "PRO-MOVE-TE", que tem como objectivo combater o desemprego jovem na região. O programa terá três edições por ano, num total de nove edições.

 

A iniciativa, segundo o ministro, pretende "apoiar as pessoas", nomeadamente a desenhar um percurso, aprender a fazer currículos e a promover e melhorar as suas qualificações. "Ou seja", frisou, "não ficarem em casa ou no centro de emprego à espera de uma oportunidade, mas também contribuírem para criar essa oportunidade".

 

Durante o fórum foram ainda apresentados os resultados do programa piloto "Lanzaderas", uma iniciativa realizada em Espanha pela Fundación Santa María la Real e que foi transferida para Portugal pela Associação Coração Delta, de Campo Maior. A experiência piloto em Campo Maior teve início em 2016 e visou dar resposta ao problema social do desemprego jovem, tendo alcançado uma taxa de 70 por cento de inserção laboral.

 

A ministra do Emprego e da Segurança Social de Espanha, Fátima Bañez, marcou também presença em Campo Maior, tendo sublinhado que o projecto "Lanzaredas" tem sido desenvolvido pelos espanhóis com uma "atitude pró-activa". "É uma iniciativa que nasceu da sociedade civil, apoiada pelos organismos públicos e pelo Governo de Espanha e que tem dado resultados. O nível de inserção no mercado de trabalho é superior a 50 por cento", disse.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que