Orienta-te Redes Sociais
Rasquera, com cerca de 900 habitantes, vê no cultivo de marijuana uma saída

Rasquera, com cerca de 900 habitantes, vê no cultivo de marijuana a forma de pagar uma dívida do município AFP

Dados

550 mil euros anuais é o valor que entrará nos cofres do município se a proposta for aprovada

Espanha

Aldeia espanhola quer plantar "cannabis" para sair da crise

Rasquera, uma localidade de Tarragona, quer arrendar um terreno para plantar "cannabis" e fazer dinheiro. Proposta foi aprovada esta quarta-feira

Texto de Ana Chaves • 29/02/2012 - 20:30

Distribuir

Imprimir

//

A A

A "cannabis", afinal, não serve apenas para fins lúdicos ou para tratar algumas maleitas. Em Tarragona, cidade da Catalunha, a localidade agrícola de Rasquera, com cerca de 900 habitantes, parece ter visto no cultivo de marijuana a forma de pagar uma dívida do município que ascende a 1,3 milhões de euros. A proposta foi aprovada pela autarquia esta quarta-feira, dia 29 de Fevereiro.

 

Estima-se que a iniciativa vai gerar cerca de 50 postos de trabalho naquele “pueblo”, directa ou indirectamente, sendo que a entidade que propôs a ideia, a "Asociación Barcelonesa Cannábica de Autoconsumo” (ABCDA), se compromete a pagar 36 mil euros pela assinatura de um convénio com a autarquia de Tarragona, bem como a pagar 550 mil euros anuais ao município pelo arrendamento do terreno. Parte-se ainda do princípio que a plantação da erva possa atrair mais jovens a Rasquera.

 

Na verdade, assegura Bernat Pellisa, o alcaide de Rasquera, se a proposta for aceite vai servir como um “medidor da hipocrisia da sociedade”. E não se coibindo de deixar clara a sua posição, acrescenta: “Ao se legalizar o consumo racional de "cannabis", as máfias deixariam de lucrar e podiam ser investigados os benefícios terapêuticos da substância, o que se poderia reverter até mesmo na Segurança Social”.

 

"Cannabis" versus Lei

Bernat Pellisa está há oito meses a negociar com a ABCDA, uma associação com fins lúdico-medicinais constituída por 5000 membros, mas afirma que as pessoas olham com receio, ao contrário do que acontece com as várias associações de "cannabis" que vêem isto com “bons olhos”, garante.

 

O que as pessoas têm que perceber é que esta será, em primeiro lugar, uma empresa pública que investigará a substância e depois, então, será determinada a quantidade de marijuana que ficará para cada um dos sócios. Mas só depois, atenção.

 

E, dissipando a dívida, o dinheiro que entrará nos cofres do município servirá, entre outras coisas, para voltarem a ter o serviço de reciclagem, coisa que foi banida por falta de verbas.

 

O departamento do Interior da Catalunha não se pronuncia até que lhes chegue o pedido formal, adianta o El País. No entanto, este plano anti-crise choca com o artigo 368 do Código Penal, que proíbe a plantação, consumo ou tráfico de drogas.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Turismo

O blogue de viagens World of Wanderlust inclui o Porto numa lista das 12 pequenas cidades mais românticas da Europa, por ser "incrivelmente charmosa"

O nascimento da Beatriz é uma odisseia

Ilustração // Nove meses, 40 semanas, 280 dias de gestação com "extremas alterações fisioló...