Índice

Um lisboeta tem de trabalhar oito minutos para pagar um pequeno-almoço

Em Zurique, um suíço tem de trabalhar cinco minutos. Em Caracas, são precisas nove horas

Texto de PÚBLICO • 02/03/2017 - 15:31

Distribuir

Imprimir

//

A A

Um português em Lisboa tem de trabalhar cerca de oito minutos para conseguir pagar um pequeno-almoço. Os habitantes de Abu Dhabi, Osaka e Zurique conseguem pagar um pequeno-almoço com o que ganham em apenas cinco minutos de trabalho, de acordo com os dados do Bloomberg Global City Breakfast Index. No extremo oposto, em Caracas, cidade na qual a inflação galopante é um problema, é preciso trabalhar mais do que oito horas.

 

Este índice da Bloomberg procura saber quantas horas é preciso trabalhar, em diferentes pontos do globo, para conseguir pagar um pequeno-almoço. É feito com base no custo de um pequeno-almoço "típico": um copo de leite gordo, um ovo, duas fatias de pão torrado e uma peça de fruta. Esta refeição foi escolhida por ser composta por ingredientes que facilmente se encontram em todo o mundo, ainda que não correspondam, necessariamente, ao pequeno-almoço mais popular numa dada cidade.

 

No total, este índice é calculado para 129 cidades e praças financeiras e baseia-se nos preços dos últimos 12 a 18 meses, retirados do site Numbeo.com. O Numbeo é um banco de dados, feito pelos utilizadores, que oferece estatísticas sobre os preços médios em diferentes cidades e países.

 

Em Lisboa, de acordo com o site, o custo de vida é 35,11% mais baixo do que nos EUA e o salário médio é 795 euros. Um quarto no centro de Lisboa fica por 622,11 euros e o passe de transporte custará, em média, 36 euros. O preço de um pequeno-almoço em Lisboa situa-se entre os 1,8% a 2,7% de um salário médio, isto é, cerca de oito minutos de um dia de trabalho. O pequeno-almoço português consagra-se como o mais caro da Europa Ocidental, tendo em conta o custo de vida. 

 

Em Zurique, um suíço precisa de trabalhar cinco minutos para comprar um pequeno-almoço, que equivale a 1% do seu salário. Na Europa de Leste, em Kiev, na Ucrânia, a mesma refeição equivale a 6%. E as diferenças entre o Norte e o Sul global são ainda mais marcadas.

 

A América Latina é a região onde é preciso trabalhar mais para comprar um pequeno-almoço. Em média, são precisos 22,2 minutos de trabalho para pagar a primeira refeição do dia – que custa, em média, 0,94 dólares (cerca de 0,89 euros).

 

Também há diferenças quando se compara cidades dentro da mesma região. No continente asiático, menos de 1% do ordenado de um japonês em Osaka é o suficiente para fazer a primeira refeição do dia, mas em Hanói, no Vietname, onde o salário é menor, a percentagem sobe para 12%. 

 

Na Europa Ocidental, é preciso trabalhar 7,2 minutos para pagar um pequeno-almoço que custa, em média, 1,31 dólares (aproximadamente 1,24 euros). Na América do Norte, é preciso trabalhar os mesmos 7,2 minutos, mas o pequeno-almoço é mais caro: custa 1,70 dólares (isto é, cerca de 1,61 euros).

 

A Bloomberg explica que estas diferenças reflectem a acessibilidade do mercado e a acção das forças regulatórias: há sítios, como o Cairo, nos quais existem subsídios alimentares que ajudam a pagar o pequeno-almoço, que custa cerca de 0,35 dólares (0,33 euros). O contrário também acontece: em pequenos mercados, nos quais as importações têm mais expressão, os preços são mais altos. É o que se verifica em Hamilton, nas Bermudas, onde o pequeno-almoço custa 3,48 dólares (3,29 euros).

 

Ainda que o preço do pequeno-almoço não preocupe quem vive em países desenvolvidos e em economias ricas, pode ser factor decisivo em países em desenvolvimento. A malnutrição é um problema grave e a escassez de alimentos pode dar origem a motins e manifestações – basta lembrar o que aconteceu durante a Primavera Árabe, em 2010 e 2011. A revolução de Jasmim, na Tunísia, em 2010, começou porque um jovem tunisino se imolou pelo fogo, numa forma de protesto contra as fracas condições de vida do país. 

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que