Economia

Jovens agricultores querem estudantes a trabalhar nas colheitas

Governo e patrões estão a estudar incentivos para que seja legal e atractivo ter jovens estudantes — em férias — a trabalharem na agricultura, através de alterações legislativas

Texto de Lusa • 22/02/2017 - 12:19

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Associação dos Jovens Agricultores de Portugal (AJAP) vê com bons olhos a criação de incentivos para atrair estudantes para as colheitas nas férias do verão, sobretudo nas explorações que exigem bastante mão-de-obra nesta época do ano.

 

"Todas as áreas das hortícolas do Ribatejo e Oeste, também a mancha do Alqueva. Zonas pontuais do Litoral, Póvoa de Varzim e toda a mancha até Aveiro (...). Os frutos vermelhos, que exigem muita mão-de-obra e onde se investiu bastante nos últimos anos, a apanha dos kiwis", exemplificou o director-geral da AJAP, Firmino Cordeiro, em declarações à Lusa. "Há outras explorações que já estão muito mecanizadas, mas há sempre mão-de-obra sazonal, tarefas que são deixadas para o final e que precisam de mão-de-obra".

 

De acordo com o jornal Expresso, o Governo e os patrões da lavoura estão a estudar incentivos para que seja legal e atractivo ter jovens estudantes — em férias — a trabalharem nas explorações agrícolas através de uma alteração ao Código do Trabalho, ao Código Contributivo e ao Código do IRS.

 

O executivo estará, assim, a analisar, de acordo com o semanário, isenções de IRC para empresas agrícolas, de IRS para jovens que queiram trabalhar nas férias e nenhum agravamento para o imposto dos pais. A Lusa contactou o Ministério da Agricultura para conhecer pormenores sobre estas negociações, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

 

"Se isso surgir, reconheço que haja empresários interessados em que esta gente possa ser uma mais valia para as explorações", disse Firmino Cordeiro, lembrando que existiram sempre estudantes a fazer este tipo de trabalhos em férias, de uma forma mais ou menos declarada. Será assim, na opinião do responsável, uma "boa ideia", transformar uma coisa ilegal numa coisa legal, para que "os estudantes possam ganhar algum" e as empresas não tenham problemas.

 

"Hoje em dia dizem que os miúdos só querem tablets e jogos electrónicos, esta será uma alternativa para ganharem algum, ajudarem as famílias ou guardarem para os períodos que se seguem, beneficiando do contacto com a natureza e o ar livre", disse. O requisito para o trabalho neste tipo de explorações, de acordo com Firmino Cordeiro, é apenas a vontade de trabalhar, uma vez que se trata de uma actividade que envolve algum esforço físico. O objectivo é que na próxima época de colheitas tanto os empresários agrícolas como os jovens estudantes que assim entenderem possam aderir ao novo regime de trabalho (sazonal).

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que