Orienta-te Redes Sociais

João Malhadeiro é estudante de Ciências Farmacêuticas, nas quais o futebol é uma constante do quotidiano

O excerto

Sendo assim, será que a pequena ilha estará disposta a passar do papel à prática e servir como experiência deste modelo, que pode revolucionar o sistema financeiro?

Jeff Belmonte

Actualidade

Como criar dinheiro? A Islândia explica

A ideia da Islândia é gerar um novo sistema para a criação de dinheiro, eliminando o papel dos bancos comerciais

Texto de João Malhadeiro • 04/05/2015 - 17:46

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Islândia prepara-se para ser um laboratório de reformas económicas e financeiras. A ideia é gerar um novo sistema para a criação de dinheiro, eliminando o papel dos bancos comerciais. Conseguirá Reiquejavique ser bem-sucedida? Se tal acontecer, estaremos perante uma revolução total do sistema monetário e financeiro tal como o conhecemos atualmente.

 

Primeiro que tudo, há que ter em conta que os bancos comerciais têm a capacidade de criar dinheiro. Como tal, estes utilizam os empréstimos para que seja possível criar depósitos, sendo precisamente este mecanismo que o Governo islandês pretende combater. Assim, a grande transformação assentaria no impedimento dos bancos de criarem dinheiro a partir de empréstimos, devolvendo este “poder” a um forte banco central.

 

O contexto islandês não poderia ser mais propício a esta ideia embrionária. A pequena ilha de 330 mil habitantes, foi recentemente afetada por uma crise financeira que destruiu a sua economia. Como tal, o Governo encomendou este estudo que representaria uma inversão e uma alteração radical do sistema financeiro moderno.

 

Desta forma, esta alternativa permitiria um banco central com o monopólio da criação de dinheiro, tendo como principal função o apoio ao crescimento económico. Para além disto, possibilitaria que o dinheiro fosse transferido para o Governo para este poder ser utilizado no crescimento e desenvolvimento da economia do país. No entanto, os bancos sairiam claramente prejudicados, visto que passariam a ter o simples papel de meros intermediários, recebendo depósitos e concedendo empréstimos.

 

O projeto tem dividido o mundo da economia e finanças. Quem defende este tipo de estratégia, argumenta que este modelo permitira ao estado um papel mais interventivo na economia do país e uma maior fonte de receitas. No entanto, os mais críticos classificam o modelo como “soviético”, indicando que era o regresso a um modelo em que o setor público dita as regras do mundo financeiro e do dinheiro.

 

O debate em torno da questão está longe de terminar, dado que esta matéria continua a dividir a opinião de diversos especialistas. No entanto, o Governo islandês pretende voltar a inovar e a ser um exemplo na gestão de crises quando comparado com outros países europeus. Destacou-se na rápida condenação de banqueiros, acusados de manipulação de mercado, bem como na rejeição à União Europeia, tendo em conta a crise desta e a fantástica recuperação da economia islandesa.

 

Sendo assim, será que a pequena ilha estará disposta a passar do papel à prática e servir como experiência deste modelo, que pode revolucionar o sistema financeiro? A decisão ainda está longe de ser tomada, mas a Islândia volta a marcar uma posição e a dar passos no sentido de contrariar as crises financeiras que afetam o país e a servir de exemplo a outros países europeus, na direção de criar uma nação próspera, que já ultrapassou ao longo da sua história por vinte crises financeiras.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Redes sociais

Mário Tarouca

Sem Facebook, sem Instagram, sem Linkedin. “Adiós! See yaaa! Adeus!”: Mário Tarouca despediu-se dos “amigos” das redes sociais para viver um mês sem a pressão...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...