Trabalho

Taxa de desemprego dos jovens subiu para 30%

Dados do INE revelam que a taxa de desemprego dos jovens pulou de 27% no segundo trimestre de 2011 para 30% no terceiro

Texto de Paulo Miguel Madeira • 16/11/2011 - 17:11

Distribuir

Imprimir

//

A A

A taxa de desemprego em Portugal subiu para 12,4% da população activa no terceiro trimestre, elevando para quase 700 mil o número oficial de desempregados, revelou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

Este valor representa uma subida de três décimas face aos 12,1% registados para o segundo trimestre (quando houve uma descida), e um regresso ao máximo histórico de 12,4% registado para a taxa de desemprego em Portugal entre Janeiro e Março.

 

Trata-se da taxa mais elevada desde que o INE acompanha o desemprego (segundo trimestre de 1983), quer desde que há registo nas séries longas do Banco de Portugal, que no caso do desemprego remonta a 1953 e utiliza um conceito mais lato que o actual. O valor mais elevado alguma vez registado para Portugal é no entanto a taxa de 12,6% avançada pelo Eurostat relativos a Abril e Maio de 2011.

 

Subida da taxa de desemprego dos jovens

A taxa de desemprego dos jovens pulou de 27% no segundo trimestre para 30% no terceiro, enquanto o desemprego de longa duração de um pequeno recuo, de 6,7% para 6,4%.

 

O desemprego continua a afectar mais as mulheres que os homens, tendo a diferença aumentado. Enquanto no segundo trimestre havia 11,9% de taxa de desemprego entre os homens e 12,4% entre as mulheres, entre Julho e Setembro subiu uma décima entre os homens e cinco décimas entre as mulheres.Estes dados resultam do Inquérito ao Emprego do INE, de periodicidade trimestral, cujos resultados revelam também uma descida de 0,4% da população activa em Portugal, para 5,568 milhões, a par de uma diminuição de 0,8% do número de empregados, para 4,854 milhões. A população desempregada aumentou 2,2%, para 689,6 mil.

 

É de esperar que a taxa de desemprego continue a aumentar nos próximos meses, atendendo às medidas de austeridade que entretanto entraram em vigor e às que foram decididas pelo Governo para 2012. As previsões apontam aliás nesse sentido.

 

Lê o artigo completo no PÚBLICO

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que