Bem-vindo ao submundo do "hardcore wrestling" mexicano

autoria Ana Marques Maia

// data 28/10/2016 - 15:04

// 8852 leituras

"Num combate de 'lucha libre', as pessoas libertam todas as emoções e gritam tudo o que está guardado dentro." "No México, a plateia gosta de tocar nos 'luchadores', de bater-lhes e de insultá-los", descreve a fotógrafa belga Annick Donkers, em entrevista ao P3. "Quando falamos em 'Lucha Libre Extrema', ou 'Hardcore Wrestling', falamos de algo que está num outro nível. Este género 'hardcore' semi-clandestino está proibido na Cidade do México por ser tão perigoso, mas ainda assim os eventos decorrem legalmente fora da capital, neste caso num 'car wash' transformado em arena em Tulancingo, a vila onde El Santo, o 'wrestler' mais famoso do México, nasceu. Num submundo como este, esperava encontrar um ambiente dominado por presença masculina, mas, para minha surpresa, na plateia havia também mulheres e crianças que gritavam 'Sangue!' ou 'Mata-o!'. Isso foi muito surpreendente e, na minha opinião, apenas enfatiza o tipo de contradições que se podem observar na cultura mexicana." O México é um país marcado pela violência, sobretudo em anos recentes. Guerrilhas entre gangues, massacres e assassinatos de estudantes e jornalistas a fazer primeiras páginas com frequência. "Assim sendo, achei fascinante que as pessoas se sentissem atraídas pelo perigoso mundo da 'Lucha Libre Extrema'. Tentei perceber a motivação virando-me para a plateia." O projecto de Annick Donkers está subdividido em quatro categorias, que fazem um retrato profundo sobre este fenómeno desportivo. "Os lutadores mexicanos são de origens pobres e lutar é uma forma que encontram de sairem desse meio e de se transformarem em heróis." Cassandro, um dos "luchadores" que Annick retratou, cresceu em El Paso, no Texas, cidade fronteiriça com a Juárez, no México. "Teve uma infância muito difícil, em contacto com abusos sexuais e violência doméstica. Quando os seus pais se divorciaram, a sua mãe mudou-se com ele para Juárez, onde começou a treinar 'Lucha Libre' por iniciativa própria até aos 18 anos; primeiro como 'Mister Romano', mais tarde como 'exótico', como 'wrestler' transformista. Foi com essa 'persona' que se celebrizou e percorreu todo o mundo, em competição." As fotografias relativas a Cassandro podem ser vistas aqui. O projecto "Lucha Libre Extrema" esteve entre os finalistas do concurso Sony Awards, na edição de 2016.

Eu acho que