Orienta-te Redes Sociais
 André Coimbra

André Coimbra tem 28 anos e é jogador profissional desde 2009 Enric Vives-Rubio

B.I.

Idade: 28 anos

Naturalidade: Coimbra

Formação: Ciências de Computadores, na Universidade do Porto

Prémios: em 2009 foi o primeiro português a conquistar o estatuto de Supernova Elite, no póquer, e venceu o campeonato do mundo de Magic: The Gathering

Links:
Blogue
Facebook

Perfil

Póquer: André é um jogador que doa parte dos seus lucros

Passa uma média de 40 horas por semana a jogar, sempre online, mas não se considera viciado. No fim de 2013, André Coimbra doou tudo o que ganhou — 50 mil euros — a uma associação de apoio a cidadãos com deficiência

Texto de Ana Maria Henriques • 02/02/2015 - 18:52

Distribuir

Imprimir

//

A A

De tabuleiro, de cartas e nos computadores: desde criança que se interessou pelos jogos, mas quando se começou a dedicar às fichas, em 2005, “era horrível”. Aos 28 anos, André Coimbra é um jogador profissional de póquer. Decidiu ler livros sobre o tema, seguir fóruns e discutir ideias com muitos outros jogadores, até que foi melhorando, ao mesmo tempo que continuava a jogar Magic: The Gathering (cujo campeonato do mundo de 2009 venceu). Em 2013, lançou a si mesmo um desafio: doar todo o dinheiro que conseguisse ganhar a uma instituição de solidariedade social.

 

André, que nasceu em Coimbra e vive em Lisboa, já doava 10% do que ganhava há alguns anos — o “estilo de vida bastante confortável” que conseguiu alcançar permitia-lhe fazer isso. Depois de um início de ano em que se sentiu desmotivado, escolheu “não ganhar dinheiro nenhum”. Num formato online que, à época, não dominava (torneios com várias mesas), o jovem licenciado em Ciências de Computadores começou com 100 dólares (pouco mais de 88 euros). No fim do desafio tinha arrecadado perto de 50 mil euros, que entregou à Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Figueira de Lorvão.

 

Viveu do patrocínio — André faz parte da equipa da PokerStars —, de rendimentos de anos anteriores e reduziu em despesas. Para 2015 já pensa num outro desafio solidário, revela ao P3. Quer aproveitar as transmissões de vídeo em directo dos jogos para incentivar as pessoas a fazerem doações que, por sua vez, entregará a associações. “Desta forma alavanco o meu tempo e a minha acção solidária.”

 

Aquando da conversa com o P3, via Skype, André tinha regressado das Bahamas há poucos dias. Viajou até lá para um dos poucos torneios presenciais em que participa por ano — prefere jogar online por ser “mais cómodo e mais barato” —, mas confessa que “em termos de resultado foi mau”. A experiência, contudo, “foi espectacular”. Jogar ao vivo e noutros países tem sempre algumas desvantagens: nos Estados Unidos, por exemplo, “30% dos ganhos são taxados”. Em Portugal, o jogo online ainda não está regulamentado, apesar de se discutir o tema recorrentemente nos últimos meses.

 

Póquer é profissão, não vício

Joga 40 horas por semana, em média, mas não vê o póquer como um vício. “Posso ficar seis meses sem jogar póquer”, assegura. “Sei tanto do jogo que é difícil ser um vício. Vou a um casino e nem sequer consigo jogar na roleta porque já sei que a pessoa está a perder dinheiro. O mesmo acontece com o Euromilhões”, revela o jogador que, no campeonato do mundo de 2010, chegou a vencer um prémio de 42 mil dólares (37.200 euros).

 

O dinheiro, que em tempos já foi a principal motivação para se dedicar às cartas, está agora “em terceiro ou quarto lugar”. “O que valorizo mais é a liberdade de poder fazer o meu horário, escolher quando faço férias, não ter patrão”, reflecte. Essa liberdade pressupõe, também, “uma responsabilidade muito grande”. “O póquer permite-nos ter sempre um desafio, é excelente para a saúde mental. Dá sempre", ressalta, "para aprender mais, evoluir, estudar, aumentar a precisão das nossas jogadas.”

 

Seguido por milhares de pessoas nas redes sociais e no blogue — não é à toa que tenta guardar uma hora, todos os dias, para responder a todas as solicitações —, André tem algumas dicas para quem vê este jogo como uma oportunidade de carreira. A primeira é não abdicarem de tudo pelo póquer: “Se estiverem a fazer um curso tentem arranjar algumas horas por dia para jogar, mas não abandonem o estudo”. Quando e se o interesse passar a ser jogar profissionalmente, o jovem recomenda “já terem, pelo menos, um ou dois anos de resultados consistentes”.

 

“Não é porque se vence um torneio que se é profissional. Deve encarar-se isso com bastante seriedade e, idealmente, ter uns seis meses de despesas já pagas”, continua, revelando que a maioria dos jogadores profissionais perde dinheiro dois meses por ano. “Se não estivermos preparados emocional e financeiramente para estas situações, vai ser desgastante.”

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Neurociências

Joana Barroso

Investigadora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto destacou-se com um projecto sobre o papel que o cérebro desempenha na dor crónica e venceu a...

“Continua a valer tudo nas ofertas de...

Entrevista // Plataforma de denúncia de emprego precário e ilegal Ganhem Vergonha reuniu...