Orienta-te Redes Sociais
Pedalofilo/Flickr

Pedalofilo/Flickr

Ecologia

300 bicicletas de uso partilhado para ligar Lisboa ao Guincho

Espalhadas por doze estações, as 300 biclas são parte do objectivo de ligar o Parque das Nações ao Guincho, em Cascais. A SlowFastcycles é a empresa responsável

Texto de P3 • 02/01/2014 - 15:22

Distribuir

Imprimir

//

A A

A partir da Primavera de 2014, Lisboa vai acolher um sistema de bicicletas partilhadas para serem usadas num itinerário de onze quilómetros. O objectivo é ligar, progressivamente, o Parque das Nações ao Guincho, em Cascais, através do “bike-sharing”.

 

Da responsabilidade da empresa privada SlowFastcycles, o sistema deve ser inaugurado na Primavera de 2014. De acordo com um dos sócios da empresa, em declarações ao site Pedais.pt, as 300 bicicletas vão ser “brancas, desenhadas e fabricadas em Portugal, num investimento inicial, incluindo o primeiro ano de funcionamento do sistema, de dois milhões de euros”.

 

Para aceder às biclas, os utilizadores vão ter duas opções. A primeira é através de um registo no site do projecto, indicada para quem quiser fazer um uso mais regular. “Depois de se registar, o utilizador recebe um cartão. Além disso, vai poder também fazer ‘download’ de uma aplicação que permite aceder ao sistema através do smartphone. Quando me dirijo a uma estação, encosto o cartão a uma doca de parqueamento, para a libertar [a bicicleta]”, explicou Martim Mayer, da empresa, à Lusa.

 

Para os ciclistas ocasionais que não queiram fazer o registo online, as estações vão estar equipadas com postes com leitor de cartões de crédito e débito. Após o pagamento, o utilizador fica com um talão que permite desbloquear bicicletas em qualquer uma das doze estações de recolha (Santa Apolónia, Terreiro do Paço, Cais do Sodré, junto ao bar Meninos do Rio, docas do Espanhol, de Santo Amaro — duas —, de Belém e do Bom Sucesso — duas —, Estação Fluvial de Belém e Fundação Champalimaud).

 

O preço de aluguer começa em alguns cêntimos, para os ciclistas recorrentes, e pode chegar aos 15 euros por dia para utilizadores ocasionais. A SlowFastCycles venceu um concurso público lançado pela Associação Porto de Lisboa e tem concessão por sete anos para exploração de “bike-sharing” na frente ribeirinha da cidade.

 

CycleOurCity Lisboa 

Entretanto, e para facilitar as deslocações de bicicleta na área da capital, foi criado o projecto CycleOurCity Lisboa, um sistema colaborativo que permite planear os percursos de acordo com as características dos mesmos. A ideia é que os utilizadores classifiquem os troços que conhecem, de acordo com escalas de inclinação, segurança e tipo de pavimento, pode ler-se no site. 

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Fotografia

Antropólogo apaixonado por fotografia tem milhares de imagens de lugares abandonados, entre Portugal e outros países. Agora, o seu "Proj3ct Urbex" está num...

Ser mãe é a melhor coisa do mundo?...

Ilustração // Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ser mãe nem sempre é a melhor coisa do mundo...