Paleontologia

Português vai liderar investigação sobre maior extinção terrestre

Ricardo Araújo, do Instituto Superior Técnico e do Museu da Lourinhã, venceu uma bolsa da revista "National Geographic" para apoiar a investigação em Moçambique

Texto de Lusa • 28/11/2017 - 13:14

Distribuir

Imprimir

//

A A

O paleontólogo português Ricardo Araújo vai liderar uma equipa internacional que vai investigar em Moçambique o impacto da maior extinção da vida na terra, há 252 milhões de anos.

 

Ricardo Araújo, do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear do Instituto Superior Técnico e do Museu da Lourinhã, que acaba de ganhar uma bolsa da revista científica National Geographic para apoiar a investigação, explicou à agência Lusa que Moçambique é um dos poucos locais em todo o mundo cujas camadas rochosas registam a transição ocorrida entre o Pérmico e o Triásico, há cerca 252 milhões de anos.

 

Nesse período, que assinala também a separação entre as idades geológicas do Paleozóico e do Mesozóico, ocorreu "a maior extinção que existiu na Terra, em que se extinguiram cerca de 95% dos seres vivos na terra". A extinção "absolutamente avassaladora e incomparavelmente superior em relação a qualquer outro período da história da Terra" terá sido provocada por uma gigantesca erupção vulcânica na zona da Sibéria, em que foram libertadas toneladas de gases com efeitos de estufa que, tal como acontece nos nossos dias, levou a uma profunda modificação do clima e da vida na Terra.

 

Com recurso à estratigrafia, a prospecção e a escavações, os investigadores têm a expectativa de encontrar fósseis pertencentes a novas espécies de fauna e flora junto ao Lago Niassa, nessa província moçambicana. "Cerca de 95% das espécies foram extintas, portanto qualquer espécie do Triásico que seja encontrada será bastante interessante para percebermos que tipo de espécies são mais afectadas pelas extinções, se existe diferenciação em termos de tamanho dos animais ou em termos de cadeia trófica, se eram herbívoros ou se eram carnívoros, ou que tipo de animais conseguiram sobreviver a esta extinção", detalhou o investigador principal.

 

Pela correlação com outras camadas rochosas do Triásico, a equipa multidisciplinar, composta por paleontólogos, geólogos e engenheiros, espera descobrir em Moçambique, exemplificou, restos de Lystrosaurus, ancestrais dos mamíferos, que sobreviveram à extinção e cujos vestígios já foram escavados na África do Sul, Antárctida, Zâmbia ou Rússia.

 

Ricardo Araújo explicou que é na transição entre o Pérmico e o Triásico que se originam os ancestrais dos principais grupos de animais vertebrados hoje existentes na Terra, justificando assim a importância desta investigação para perceber melhor a origem e a evolução ao longo de milhões de anos.

 

Além de Ricardo Araújo, a equipa internacional é composta pelo português Rui Martins, do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear do Instituto Superior Técnico, pelos moçambicanos Dino Milisse e Nelson Nhamutole, do Museu Nacional de Geologia de Moçambique, pelos americanos Kenneth Angielczyk, do Museu Field, e Jim Crowley, da Universidade Estadual de Boise, por Sterling Nesbitt, da Universidade Técnica da Virgínia, e pelo sul-africano Roger Smith do Museu Iziko.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que