“Misterioso, surreal, artístico e invulgar" Júpiter

autoria P3

// data 29/05/2017 - 10:23

// 8312 leituras

A National Geographic utiliza adjectivos fortes, como "misterioso, surreal, artístico e invulgar", referindo-se às novas imagens captadas pela sonda espacial Juno, cuja missão é, desde o momento em que foi lançada, em 2011, investigar a origem e a evolução do planeta-rei do sistema solar: Júpiter. Juno chegou ao destino apenas em Julho de 2016, motivo por que o número de imagens captadas é ainda escasso e o seu conteúdo bastante revelador para os cientistas da NASA — e para o mundo. "As novas imagens parecem quadros de Van Gogh", disse Scott Bolton, investigador de Southwest Research Institute, à National Geographic recentemente. "Há imagens cujo conteúdo já esperávamos, graças a outras captações feitas por outras sondas, nomeadamente pela Voyager. Mas tratavam-se de enquadramentos mais gerais. Quando nos aproximamos [da superfície de Júpiter] e vemos estas espirais, notamos que parecem arte. O mesmo não é observável em Saturno, Urano ou Neptuno." O investigador crê que o tamanho do planeta pode ter influência sobre estas dinâmicas que considera, de algum modo, semelhantes às que decorrem nas estrelas. Presume-se que as espirais patentes nas imagens sejam referentes a tempestades atmosféricas. A sonda Juno possui, além de um dispositivo de captação de imagem de alta definição, instrumentos concebidos para aferir a composição do planeta, a sua distribuição de massa, a composição da sua atmosfera, medição de campos gravitacionais e magnéticos em zonas iluminadas e polares. "Estamos, essencialmente, a criar um mapa de Júpiter, para que possamos obter respostas sobre o funcionamento das leis da Física, sobre a estrutura interior do planeta e sobre os componentes o formam." Bolton promete que novas imagens serão publicadas brevemente, fruto de uma expedição da sonda que decorreu a 27 de Março, em que esta se aproximou ainda mais da superfície de Júpiter. Até então, pasmemos para as que estão disponíveis.

Eu acho que