Reino Unido

Cientistas emigrados querem contribuir para política portuguesa

Encontro Luso2016, promovido pela PARSUK, realiza-se em Manchester este mês. Sistema de ensino de ciência em Portugal vai ser o centro da discussão

Texto de Lusa • 08/06/2016 - 13:08

Distribuir

Imprimir

//

A A

Os investigadores portugueses no estrangeiro deviam ser consultados, na definição da política pública de ciência em Portugal, defendeu, em declarações à Lusa, um dos organizadores do 10.º Encontro Anual de Estudantes e Investigadores e Portugueses no Reino Unido.

 

O encontro Luso2016, promovido pela Associação dos Estudantes e Investigadores Portugueses (PARSUK, na sigla inglesa), realiza-se em Manchester, no dia 18 de Junho, e tem por objectivo a troca de experiências sobre os sistemas de Ensino Superior e de Investigação, Desenvolvimento e Inovação Portugueses. Um dos membros do comité organizador, Nuno Pinto, pretende que este Luso seja "diferente dos anteriores" e que a discussão se centre no que os participantes acham que é "bom, mau, positivo, negativo, promissor, ou qual o potencial do sistema de ensino de ciência em Portugal, considerando a experiência no Reino Unido".

 

Nos estabelecimentos de ensino britânicos trabalham ou estudam centenas de investigadores portugueses — estimados em mais de 1.500 —, que, como reivindica o professor de planeamento urbano na universidade de Manchester, "têm um conhecimento de um dos melhores sistemas educativos do mundo e têm alguma a coisa a dizer". O mesmo acontece com outros investigadores portugueses nos Estados Unidos, Alemanha ou França, cuja maioria Nuno Pinto acredita que não voltará para trabalhar em Portugal.

 

Associações "devem mobilizar-se"

O membro da organização do encontro anual de investigadores defende, no entanto, que as associações homólogas da PARSUK "devem mobilizar-se para estarem presentes e darem um contributo". Apesar de o objectivo inicial ter sido "dar voz à comunidade", abrindo o programa a intervenções de voluntários, apenas três pessoas entre mais de 1.500 avançaram. "Há um desfasamento de pessoas que não pensam sobre estes temas e um menor envolvimento de pessoas mais experientes, e que já pensam sobre estes temas", justificou, em declarações à agência Lusa. Ainda assim, pretende que, do encontro, sejam retiradas conclusões que serão reunidas num documento, o qual espera que seja "um contributo para a PARSUK se capacitar sobre esta discussão".

 

Entre os oradores convidados estão o físico Carlos Fiolhais, o imunologista e director do Instituto Gulbenkian de Ciência, Jonathan Howard, a economista e gestora do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), Fátima São Simão, o director da Nova School of Business and Economics, Daniel Traça e o escritor professor Paulo Guinote. Dos participantes com experiência do sistema britânico de ensino e investigação, destacam-se o economista Hugo Figueiredo, professor da Universidade de Aveiro, mas que concluiu o doutoramento em Manchester, Sofia Martinho, actual directora do Centro de Língua Portuguesa/Instituto Camões da Universidade de Leeds, a socióloga Maria do Mar Pereira, professora na Universidade de Warwick, e o engenheiro químico e empreendedor Hugo Macedo.

 

O Luso2016 faz parte o programa de Manchester, Cidade Europeia da Ciência 2016, que é considerado o maior encontro de discussão de ciência e política de ciência na Europa, que inclui diversos eventos, exposições e conferências.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que