Orienta-te Redes Sociais
Guloso durante a dieta? A culpa é da leptina

Estudo sobre como o cérebro regula o apetite foi recentemente publicado na “Nature Neuroscience" josemanuelerre/Flickr

A cientista Ana Domingos trabalha actualmente na Universidade de Rockefeller, em Nova Iorque DR

A frase

"Ficar mas guloso, justo quando se tem de fazer dieta, não é um problema moral mas sim mais uma manifestação biológica da leptina”
Ana Domingos, cientista

Investigação

Ser mais guloso quando se faz dieta não é imoral

Cientista portuguesa aponta a razão biológica para termos mais vontade de comer guloseimas quando fazemos dieta. A culpa é da leptina, uma hormona fundamental quando se fala de apetite

Texto de Ana Maria Henriques • 13/12/2011 - 10:05

Distribuir

Imprimir

//

A A

“Quando fazemos dieta, ficamos mais gulosos. Olhamos para um pastel de nata e, de repente, o valor que esse doce tem, em termos de prazer, é muito maior.”

 

Feita por uma jovem cientista portuguesa radicada nos Estados Unidos, esta afirmação não é propriamente novidade, já que qualquer um de nós pode chegar a tal conclusão. Mas como cientista que é, Ana Domingos teve de demonstrar a sua observação empírica em laboratório.

 

Foi bem sucedida e, em parceria com J. Friedman, o seu estudo sobre o modo como o cérebro regula o apetite foi recentemente publicado na revista “Nature Neuroscience”.

 

A hipótese de partida da cientista, natural de Lisboa, diz que este tipo de distúrbio de comportamento, que compromete a dieta, se deve a “reduções da leptina”, uma hormona que, entre outras funções, tem um papel primário no controlo do metabolismo dos seres humanos. “À medida que perdemos peso, a concentração da leptina cai”, explica.

 

Deste modo, “níveis muito baixos desta hormona fazem uma fome desmedida, incontrolável e insaciável”, explica a cientista de 35 anos, actualmente a trabalhar na Universidade de Rockefeller, em Nova Iorque. “É por isso que os pacientes que não têm esta hormona, para além de serem obesos, têm este tipo de fome.”

 

Leptina, a protagonista

Ana Domingos resume: “ficar mas guloso, justo quando se tem de fazer dieta, não é um problema moral mas sim mais uma manifestação biológica da leptina”, uma hormona “negligenciada pelos nutricionistas” e que pode ser uma peça fundamental no processo de perder ou ganhar peso.

 

É que a leptina, a protagonista deste estudo, está envolvida não só na sensação de fome – “algo que se pode tentar enganar com truques dietéticos”, como no “quanto gostamos de determinados alimentos, principalmente os açucarados”, aponta.

 

Ana quer ver a terapia de substituição hormonal numa fase de dieta a chegar a mais pessoas: “pode ser que uma dieta funcione melhor se restabelecermos os níveis perdidos de leptina”.

 

Da Matemática ao estudo do cérebro

O percurso de Ana Domingos é “um bocadinho irregular”. Não somos nós que o dizemos, é a própria. “Licenciei-me em Matemática porque para mim era fácil e para os outros não.” Desde cedo deu explicações e, a meio do curso, achava que ia estudar Matemática para o resto da vida.

 

O Programa de Doutoramento em Biologia e Medicina da Gulbenkian trocou-lhe as voltas. Incentivava os alunos a “aprender o que se faz lá fora, não só em termos técnicos mas, principalmente, culturais e sociais” e a cientista agarrou a oportunidade.

 

Ana Domingos foi, assim, para os Estados Unidos, onde já trabalhou com prémios Nobel. Agora está a tentar estabelecer-se em Portugal ou, até, noutro país europeu. O importante é ter condições para desenvolver o próximo projecto: “tentar encontrar como é que o nosso cérebro detecta a presença de nutrientes, tais como o açúcar, independentemente da língua”.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Videoclipe

Nesta “galeria digital” do P3 expomos um videoclipe por semana, dos que são adicionados pelas pessoas em VIDEOCLIPE.PT, o que obriga por vezes a escolhas difí...

As mulheres de verdade têm pêlos,...

Livro // Há cerca de dois anos, num qualquer dia quentes de Primavera, Rocío Salazar...