Orienta-te Redes Sociais

PharmAssistant

Startups

E se os medicamentos pedissem para ser tomados?

A ideia é simples: frascos de medicamentos que comunicam com uma app que avisa através do smartphone ou tablet que está na hora de tomar a medicação. Chamam-se SmartBottles e estão a ser desenvolvidas pela Pharmassistant, uma start-up portuguesa

Texto de Ricardo M. Alves • 08/05/2014 - 16:56

Distribuir

Imprimir

//

A A

A ideia surgiu a Diogo Ortega quando um dia a sua avó tomou, inadvertidamente, um comprimido do marido. Houve alguma consternação com eventuais interacções adversas, e nesse momento a ideia tomou forma: a gestão de medicação não é fácil para ninguém; porque não criar uma ajuda?

 

Alguns ano depois, Diogo já não é comissário de bordo e está a tirar um curso de Gestão. Recruta o irmão para design gráfico, e após completar a equipa com uma designer de produto e uma chief marketing officer lança-se no desafio Lisbon Challenge, uma incubadora de startups.

 

É assim que surge a PharmAssistant e o seu protótipo SmartBottle. Com uma campanha recentemente criada no indiegogo (meta de 20 mil dólares), a ideia será oferecer um frasco de medicação que comunique com uma app por bluetooth.

 

Num primeiro momento, o utilizador será notificado no seu smartphone que é hora de tomar certa medicação. Após abrir o frasco, a Smartbottle irá comunicar à app que o medicamento foi tomado. A empresa portuguesa pretende também oferecer um segundo que é o da monitorização à distância, que mediante uma pequena mensalidade avisará um terceiro sobre se determinado utilizador tomou a medicação ou não (útil no referente a crianças e idosos).

 

Sofia de Almeida, da PharmAssistant, assume o âmbito internacional do produto — com destaque especial para os Estados Unidos. A aplicação poderá ainda notificar o utilizador de eventuais conflitos entre medicamentos, e a equipa pensa já em estabelecer uma ponte entre a aplicação e o médico de família, de forma a manter este ao corrente do cumprimento da posologia. "Ainda é um pouco cedo para entrarmos nessa dimensão, neste momento estamos apenas a desenvolver a SmartBottle. Mas temos noção do potencial da aplicação", assegura.

 

Artigo editado por Luís Octávio Costa

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Cidadania

Nas escolas de Pedro Aibéo, aprende-se música como uma língua materna — e procura-se uma solução para os músicos que não conseguem sobreviver desse ofício....

Arquitectura: estas são as melhores...

Fotografia // Os finalistas dos Arcaid Images Architectural Photography Awards 2017 foram...