Nelson Garrido
Rita Parente

Livro

Rita e André têm uma cozinha vegan que partilham com todos

É cem por cento vegetal, mas o casal garante que é "para todos". "Vegan Para Todos" reúne 80 receitas criadas por quem crê que a "moda" do veganismo vai ser "norma". "Por muito que possa demorar"

Texto de Renata Monteiro • 20/05/2018 - 20:30

Distribuir

Imprimir

//

A A

Havia uma receita mexicana que fazia Rita Parente atirar-se à cozinha para, pelo estômago, “conquistar” André Nogueira. Era tiro certo. Quesadillas de frango. Na altura, há cinco anos e meio, resultou. “E agora continua a resultar”, admite a designer gráfica algarvia, de 26 anos, sentada à mesa com o P3. “Mas com quesadillas de cogumelos ou de outra coisa qualquer”, ri-se.

 

As adaptações a este e outros pratos foram surgindo conforme os ingredientes de origem animal deixaram de entrar no frigorífico dos dois. Daí que na página 117 do livro que Rita está a folhear, Vegan Para Todos, lançado em Abril, o casal que vive em Faro proponha rechear tacos com batata-doce e cogumelos portobello ou, algumas páginas antes, sugira tirar o bacalhau, deixar o à Brás e a batata palha e juntar alho francês, couve-branca, couve-roxa e cenoura (“Ai, os vegetais à Brás…”). Pela fotografia que acompanha a receita, da autoria de André Nogueira, o resultado é um prato bem mais colorido do que o tradicional — e onde as seis porções indicadas são uma “mera sugestão”.

 

Entre as 80 receitas — 65 exclusivas e as restantes tiradas do blogue Cocoon Cooks, precursor digital do livro —, há adaptações de pratos omnívoros, como a bolonhesa, agora de cogumelos e noz, e outras que já “nasceram” veganas (ou seja, sem carne, peixe, ovos, lacticínios, mel ou outros produtos que compactuem com exploração e crueldade animal) e “vivem por si só”, como é o caso do xarém de beterrabas e cenouras assadas com pesto de hortelã. “Não tem de haver uma obsessão com a proteína no centro do prato rodeada de acompanhamentos”, defende Rita, “é preciso alterar completamente o chip e passar a olhar para a refeição de uma forma diferente”.

 

No caso da designer e do fotógrafo de 29 anos, autores do livro (19 euros) e ambos veganos, a transformação dos hábitos alimentares começou depois do pai de Rita ter falecido na sequência de um cancro de estômago. “Nós começámos a pesquisar as causas destas doenças, de que forma podem ser prevenidas ou até tratadas e foi aí que começámos a cortar a carne”, conta. Sem intenções de deixar de comer o resto, começaram a sinalizar que se sentiam “cada vez melhor” após refeições sem quaisquer produtos de origem animal. “A partir daí fomos cortando, cortando, até que chegámos a um ponto em que não havia mais nada a cortar”, relembra, com um encolher de ombros.

 

A transição “foi muito suave”. Não aconteceu do dia para a noite, como por vezes acontece “com pessoas mais sensíveis a assuntos de direitos de animais, depois de verem um documentário sobre o tema, por exemplo” — mas ao longo de “um ano e qualquer coisa”. Esta opção, alimentada por um estilo de vida “consciente, compassivo, saudável e activo”, vigora há três verões sendo que, no início, estavam “sempre dependentes de livros de receitas”. Quando deixaram de precisar deles, bem como de blogues e apps de cozinha, passaram a “experimentar mais” sozinhos.

 

Depois, foi uma “avalanche” de ideias originais que queriam partilhar com todos (impulsionada por um convite “inesperado” da editora Zero a Oito, a quem entregaram o livro “prontinho a imprimir"). Era “importante” incluir “todos” no título, por oposição a outra palavra que “lá tinha de estar”: "Vegan”. “Queríamos que as pessoas se sentissem curiosas e não postas de parte logo à partida”, justifica, “que consigam olhar para o livro e pensar que nem sequer têm de pensar em desculpas”. Escrevem de forma familiar; tratam o leitor por tu; organizam cada secção do livro por tempo estimado para realizar cada receita; sugerem livros e documentários pró-vegan; enumeram e descrevem uma lista de ingredientes necessários para completar a maior parte das receitas. “É a nossa forma de activismo e de inspirar o próximo: partilhar comida deliciosa e cem por cento vegetal.” Na primeira semana após o lançamento, já estavam a imprimir a segunda edição do livro.

 

Não sentem “saudades” dos alimentos que recusaram, primeiro “devido à saúde” e depois por uma mão cheia de outras razões — “causa animal, sustentabilidade do nosso planeta, preservação das florestas e dos oceanos, paz mundial e erradicação da fome”, como enumeram no livro —, até porque “novos hábitos moldam novos paladares”, escrevem, na introdução, em jeito de slogan. E garantem ao leitor: “Agora olhamos para esses alimentos como quem olha para uma barra de sabão.”

 

Uma “moda” que vai virar “a norma”

Rita sempre gostou de cozinhar. André sempre detestou. Era adepto do “típico bife com arroz e batata frita” e “costumava dizer que se houvesse um comprimido que pudesse tomar, ele tomava para não ter de comer”. “Passou disto para preparar as nossas refeições da semana”, congratula-se Rita.

 

“Ele faz receitas mais assim”, explica, dedo apontado ao título de uma delas. “Green Biryani”, lê-se, vulgo empadão de arroz indiano feito “com os vegetais que restam no frigorífico”. No fundo, resume, além das fotografias, é ele o responsável “pelas receitas mais fáceis de despachar”. Pára noutra imagem de hambúrgueres, com uma lista de ingredientes maior. “Já isto é mesmo eu a pensar de uma forma super cirúrgica.” Volta a entregar-nos o livro. “Já disse que me faz imensa confusão estar a fazer uma entrevista sem ele?”, pergunta, pelo menos em dois momentos da conversa num dos novos cafés do Porto, repletos de opções cruelty-free, onde a designer parou antes de rumar a Paredes de Coura para, no último fim-de-semana, apresentar o Vegan Para Todos, no Green Weekend.

 

Nos últimos dez anos, os estabelecimentos vegetarianos e veganos em Portugal aumentaram mais de seis vezes. As 28 lojas e restaurantes existentes em 2008 passaram para 172 em 2018 — e um terço delas floresceu apenas entre 2016 e 2017. Os dados, que a Associação Vegetariana Portuguesa anunciou este mês, foram recolhidos pela HappyCow, a empresa responsável por uma app que reúne restaurantes, em mais de 180 países, com este regime no menu — e que é “o terceiro parceiro” das viagens de Rita e André. “Nós fazemos o itinerário de viagens à volta da comida”, admite. E vice-versa. “É comer, trabalhar com comida para ir viajar e comer mais.”

 

Olhando para as opções cada vez mais fáceis de encontrar, lá fora e por cá, Rita Parente não nega o factor “moda” do vegetarianismo — mas acha que “é uma moda que vai acabar por se tornar a norma, por muito tempo que possa demorar”. “Acho que já posso dizer que vivi um bocadinho, o suficiente para ver algumas modas a vir e a ir." E esta do vegetarianismo, acredita, "é uma combinação de muitas coisas que simplesmente funcionam.”

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que