Ciência

Lisboa vai ter centro internacional de investigação sobre água

Centro Internacional da Água de Lisboa vai estar pronto a funcionar até ao final do ano e conta com parceiros de todo o mundo

Texto de Lusa • 27/03/2017 - 10:36

Distribuir

Imprimir

//

A A

Portugal vai ter um centro internacional para a água, com parceiros de todo o sector e de todo o mundo, para desenvolver investigação, encontrar novas soluções e passar conhecimento a decisores, empresas e sociedade.

 

"A ideia é criar, em Lisboa, em Portugal, um centro internacional dedicado às questões da água, o Lisbon International Centre for Water [Centro Internacional da Água de Lisboa], com o objectivo de desenvolver, numa rede internacional extensa, o melhor conhecimento existente no sector dos recursos hídricos e dos serviços de águas e passá-lo" para várias componentes da sociedade, avançou à agência Lusa o coordenador do projecto.

 

Jaime Melo Baptista, investigador coordenador no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), realçou a importância de apoiar novas soluções técnicas, de produtos ou serviços, que contribuam para capacitar os responsáveis e profissionais e obter mais eficiência na utilização de um recurso decisivo para reduzir a pobreza, melhorar a saúde e o desenvolvimento.

 

O projecto, promovido pelo LNEC, obteve financiamento europeu, através do programa Teaming, que apoia a criação de centros de excelência e está integrado no Horizonte 2020, e "até final do ano vai estar pronto a funcionar", assegurou o especialista nesta área.

 

Com um investimento inicial de 400 mil euros, o centro tem previsto um orçamento de 15 milhões de euros, em sete anos, e 40 parceiros, número que Melo Baptista espera aumentar, mesmo em termos internacionais. "Pretende passar o conhecimento sobre o sector da água em Portugal, na Europa e no mundo, para os decisores políticos, técnicos e empresariais, para que tomem melhores decisões, mas também para os profissionais da área da água, portugueses e estrangeiros, através de mecanismos de capacitação não tradicionais", baseados em ligações à distância, especificou o especialista.

 

O novo centro, diferente de tudo o que existe no mundo nesta área, segundo Melo Baptista, conjuga investigação, em laboratórios já existentes, com a aplicação dos resultados obtidos, por exemplo novos produtos ou equipamentos, na actividade industrial, e incentiva o desenvolvimento de startups. O projecto é baseado no LNEC, que tem instalações experimentais e laboratórios.

 

Pelo desenvolvimento sustentável 

O centro, que é multidisciplinar, é apoiado pelos ministérios do Ambiente, Economia, Infra-estruturas e Ciência, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), além de operadores do sector, como a Águas de Portugal, municípios e entidades privadas. Tem também o apoio de associações do sector, como a Parceria Portuguesa para a Água, a Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Água (APDA), a Associação Portuguesa de Empresas de Tecnologias Ambientais (APEMETA), a Direção Geral do Consumidor, a Deco, a Direção Geral de Saúde e universidades portuguesas.

 

A estas entidades nacionais juntam-se a Associação Internacional da Água, a UNESCO e várias universidades estrangeiras, como do Reino Unido, França, Espanha, Alemanha e Brasil. "Queremos ter aqui investigadores estrangeiros, dar formação a portugueses, mas também a profissionais de outros países", acrescentou.

 

Melo Baptista, que foi presidente da Entidade Reguladora dos Serviços da Água e Resíduos (ERSAR), explicou que, na base da iniciativa estão "os objectivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, em que a água é uma das 17 prioridades e cruza com praticamente todas as outras, sendo decisiva para reduzir a pobreza, melhorar a saúde e o desenvolvimento", mas também documentos da OCDE ou da Associação Internacional da Água.

 

O centro está vocacionado para ajudar os países a atingir aqueles objectivos, combinando política, gestão, tecnologia, economia, com aspectos jurídicos e sociais. Na melhoria do acesso à água e da sua utilização, "a eficiência dos serviços é um tema imenso, mas também temos as alterações climáticas, a gestão de recursos, a componente social ou o desenvolvimento de tecnologias inovadoras", explicou ainda o coordenador do projecto.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que