Pesquisas

Seis milhões de árvores plantadas através de buscas na internet

Fazer uma pesquisa pode ajudar a combater a desflorestação. O Ecosia é uma alternativa ecológica a motores de busca como o Google, Bing ou Yahoo

Texto de Tatiana Carvalho • 08/03/2017 - 13:30

Distribuir

Imprimir

//

A A

“Donald Trump”, “Óscares 2017”, “Emma Watson”, “Festival da Canção”. A pesquisa de expressões ou até de perguntas é uma tarefa comum do quotidiano. Um acto quase mecânico, sem importância, que não merece reflexão. Mas, e se cada clique fizesse a diferença? Uma pequena empresa sediada na Alemanha tornou isso possível.

 

Fundada por Christian Kroll, em Dezembro de 2009, o Ecosia é um motor de busca amigo do ambiente, disponível para telemóveis e também em versão desktop. A premissa do projecto é doar pelo menos 80% das receitas geradas através de anúncios publicitários a projectos de reflorestação. Agora, ao atingir a marca das seis milhões de árvores, o próximo e ambicioso objectivo é o de plantar outras mil milhões até 2020.

 

A empresa alemã colabora actualmente com quatro programas de reflorestação no Peru, Burkina Faso, Madagáscar e Indonésia. Para comprovar os resultados, a empresa publica no seu site relatórios financeiros mensais, bem como vídeos e fotografias do trabalho desenvolvido. Questionada pelo PÚBLICO, a responsável de comunicação do Ecosia diz que “tornar visível o impacto positivo que eles [os utilizadores] nos ajudam a atingir” é também uma maneira de solidificar a relação de confiança com os consumidores.

 

De acordo com dados fornecidos por Jacey Bingler, a empresa tem neste momento quase cinco milhões de utilizadores. Apesar de a maioria pertencer a países de língua francesa ou alemã, Bingler destacou o facto dos utilizadores portugueses terem triplicado nos últimos meses.

 

Mas como decidem onde plantar as árvores? Para ter a certeza que “cada euro investido tem o maior impacto positivo possível”, Pieter van Midwoud explica que a empresa rege-se por um conjunto bem definido de regras e directrizes. O responsável pela supervisão de todo o processo de plantação das árvores diz que o objectivo dos projectos de reflorestação é restaurar o ambiente, mas também melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem nas zonas afectadas desflorestação.

 

A empresa, explica van Midwouw, assume como áreas prioritárias de intervenção “as mais pobres do mundo, onde se pode fazer uma diferença maior na vida das pessoas”. E, ao mesmo tempo, as que são qualificadas como "hotspots de biodiversidade", seguindo o conceito estabelecido pelo ecologista britânico Norman Myers: "Áreas do nosso planeta que possuem espécies vegetais e arbóreas que são completamente únicas a essa região, mas que estão criticamente ameaçadas devido à forte deflorestação causada pela agricultura, cortes ilegais de madeira, mineração, entre outros”, explicou.

 

No entanto, explica Bingler, também está a ser analisada a colaboração com organizações europeias. "É possível que, num futuro próximo, comecemos a plantar árvores na Europa", disse ao PÚBLICO.

 

Portugal na lista negra da desflorestação

Em Dezembro de 2016, a Quercus alertou para dados que indicam que Portugal é o 4º país do mundo com maior taxa de desflorestação, com uma perda de 24,6% entre os anos de 2001 e 2014. No topo da lista de países com maior perda no mesmo período está a Mauritânia com 99,8%, seguido do Burkina Faso com 99,3% e Namíbia com 31%. Os dados são da Global Forest Watch (GFW), uma rede internacional de monitorização do fenómeno.

 

“Entre 2001 e 2014, Portugal perdeu 566.671 hectares de floresta e, entre 2001 e 2012, ganhou 286.549 hectares, o que revela menos 280.122 hectares de área florestal”, pode-se ler no comunicado da Quercus. “A situação é mais preocupante para o nosso país pois apenas três países apresentam pior desempenho do que Portugal, e todos eles têm vastas regiões desérticas e ou estão na orla de desertos.”

 

Para tentar combater a evolução da desflorestação em Portugal, António Costa anunciou na passada quarta-feira que a reforma florestal arrancará já no dia 21 deste mês. No encerramento da cerimónia que assinalou o “Dia da Protecção Civil”, o primeiro-ministro sublinhou a necessidade de tomar atitudes mais rigorosas.

 

"Infelizmente, estes últimos dez anos não foram devidamente aproveitados. Podemos até ter excelentes meios de combate aos incêndios florestais, mas, ou fazemos agora aquilo que não foi feito nos últimos dez anos ao nível da prevenção estrutural, ou os riscos serão sempre crescentes e os meios sempre crescentemente insuficientes", avisou.

 

Texto editado por Pedro Guerreiro

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que