Os passadiços do Paiva vistos de um passadiço aéreo

autoria Nelson Garrido

// data 30/04/2016 - 11:16

// 55752 leituras

Os Passadiços do Paiva foram na noite deste domingo um dos premiados da edição de 2016 dos World Travel Awards, que, considerados os Óscares do Turismo a nível mundial, distinguiram o projecto de Arouca como o mais inovador da Europa.Ao todo, são oito quilómetros ao longo das margens do rio Paiva, que têm sofrido também com os incêndios: o primeiro, no ano passado, levou à remodelação e melhoria do percurso; o segundo, em Agosto, levou a que, para já, apenas metade da atracção esteja disponível.Desde que abriram ao público, em Junho de 2015, os passadiços do Paiva foram notícia por várias vezes. No Verão passado levaram milhares às margens do Paiva, onde 2000 metros cúbicos de madeira nos conduzem a cantos nunca antes observados com tanto detalhe. Os 8,7 quilómetros dos passadiços chegaram a receber 10 mil pessoas num só dia, à procura da paisagem protegida — e da fotografia mais desejada. Houve mudanças no turismo da região, negócios que nasceram (e outros que renasceram), queixas de ambientalistas. Entretanto, em Setembro, um incêndio destruiu 600 metros do percurso e, mais grave, consumiu quase 500 hectares de floresta em Arouca. Tempo para repensar o acesso ao trajecto que, quando encerrou, recebia uma média diária de 7.000 visitantes. Foi preciso esperar por Fevereiro último para poder voltar a caminhar com vista para o vale do Paiva, mas houve mudanças. O acesso está limitado a 3.500 pessoas por dia, que têm agora de pagar um euro, fazer marcação prévia no site Passadiços do Paiva e apresentar a reserva aos funcionários presentes nas três entradas instaladas no percurso. Nelson Garrido, fotojornalista do PÚBLICO, fotografou, com a ajuda de um drone, o serpentear dos passadiços, o verde da floresta e as águas do Paiva. Versão inglesa.

 

Texto actualizado às 11h00 do dia 5 de Setembro de 2016

 

Eu acho que