Acesso limitado

Arouca: Passadiços do Paiva reabriram ao público

Trajecto ao longo do Rio Paiva reabre esta segunda-feira. No Verão passado, o número de visitantes superou as melhores expectativas e os comerciantes agradecem

Texto de Sara Dias Oliveira • 15/02/2016 - 13:09

Distribuir

Imprimir

//

A A

Esta segunda-feira, 15 de Fevereiro, os passadiços do Paiva, em Arouca, percurso de oito quilómetros pela margem esquerda do rio, reabrem ao público depois de um incêndio em Setembro ter obrigado a um fecho abrupto. Nessa altura, achou-se por bem pensar na elevada afluência de cerca de 200 mil visitantes recebidos em dois meses e meio de funcionamento. O fogo engoliu 600 metros dos passadiços, o que obrigou a uma intervenção nessa zona e, ao mesmo tempo, a repensar o acesso ao trajecto que recebia uma média diária de 7000 visitantes.

 

Agora, o acesso é limitado a 3500 pessoas por dia, que têm de pagar um euro, fazer marcação prévia no site Passadiços do Paiva, e apresentar a reserva aos funcionários que estão nas três entradas instaladas no percurso. A população de Arouca tem entrada livre mediante a apresentação de um cartão de residente que custa 2,50 euros, sem IVA, e é válido por três anos. Até à reabertura tinham sido pedidos mais de 500 cartões.

 

Há outras alterações nos passadiços. Um troço de cerca de um quilómetro, na zona do Areinho até à queda de água das Aguieiras, mantém-se de acesso livre. A zona balnear do Vau tem agora instalações sanitárias e Espiunca e Areinho estacionamentos para 400 viaturas em cada lado.

 

A vila de Arouca sentiu na pele, e nos bolsos, a procura dos passadiços do Paiva e não mais foi a mesma. Cafés e restaurantes cheios, mais quartos alugados, mais reservas no hotel da vila e noutros concelhos ao redor, mais negócio nas bombas de gasolina, mais viagens para os taxistas.

 

Os passadiços excederam a melhor das melhores expectativas e os comerciantes agradecem. “Os passadiços fazem muito bem à terra, vinha imensa gente de fora, os taxistas tinham trabalho a toda a hora, fazia-se negócio a vender frutas, doces”. Esmeralda de Oliveira, ex-professora primária, agora dona de uma loja de artesanato na vila, conta o que os seus olhos viram no Verão passado. “Um movimento fora de série. Para a vila foi muito bom, foi um acontecimento”, refere.

 

Paula Cristina, empregada num snack-bar na principal avenida de Arouca, confirma. A esplanada do estabelecimento onde trabalha nunca teve tanta gente. “Sentimos uma mudança, muita gente aproveitou aquela maré, foi uma novidade, e tivemos trabalho que nunca tivemos noutros anos”, diz.

 

Depois do incêndio e do fecho dos passadiços, a vila ficou mais deserta. “Esperamos que a partir de agora seja como no ano anterior, porque é bom para a terra. Damos a conhecer a cultura, o artesanato, a gastronomia e todos os produtos são daqui, são óptimos”. Francisco Freitas tem um restaurante e quando via gente de sapatilhas e mochilas já sabia de onde vinham. Chegou a ter casa cheia vários dias.

 

“Era a loucura, muita gente de fora, perguntavam-nos o que se passava em Arouca, porque não havia comida”, recorda. A enchente de forasteiros foi uma boa ajuda para o seu negócio que vivia dias complicados. Por isso, espera que esse tempo volte depressa.

 

Lê o artigo completo em PÚBLICO.PT

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que