Orienta-te Redes Sociais
João Labrincha continua à rasca, é activista da Academia Cidadã e trabalha diari

João Labrincha continua à rasca, é activista da Academia Cidadã e trabalha diariamente para fazer de cada cidadão um político

Excerto

Continuar a dizer que não podemos, que somos poucos, mal preparados e que os espanhóis são super-heróis é, a meu ver, errado e apenas beneficia a casta corrupta governante.

Facebook

Blogue

Ar Salgado

Scott Cresswell/FLICKR

Crónica

Quem não quer, que se lixe. Quem quer, Podemos!

Temos que criar um partido novo, que não tenha medo de ser governo e que seja uma ferramenta de poder para os que não têm voz

Texto de João Labrincha • 19/12/2014 - 16:47

Distribuir

Imprimir

//

A A

Depois da resposta ao meu anterior artigo, decidi aceitar o desafio e fui à Assembleia Cidadã do passado fim-de-semana, organizada pelo Juntos Podemos. Na iniciativa, de onde poderia surgir a constituição de um novo partido inspirado no Podemos espanhol, confirmei a quase totalidade das minhas expectativas. Mas não todas.

 

O BE, apagado. O PCP, aceso, com forte presença de bloqueio, votando pelo adiamento mais longínquo possível de qualquer passo. Nada de novo. Em Espanha também o Izquierda Unida (comunistas) tentou boicotar enquanto pôde. Curioso foi ver o furioso ataque dos PCs à presença de elementos do partido MAS. Do que vi, parece-me que o último quererá ser o equivalente ao Izquierda Anticapitalista, um integrante coligado do Podemos espanhol. E sabendo que ao PCP não interessa o aparecimento de um novo partido é fácil perceber o ataque ao MAS, que parece querer o sucesso da iniciativa (também para se coligar?).

 

Outra ala presente foi a dos antipartidários, que acham que os partidos são entidades malignas e, por isso, nunca quererão fazer nada mais do que um movimento. O PCP soube capitaliza-los mas, ainda assim, juntos, estiveram em minoria.

 

Ora, eu acho que Portugal precisa de maior dinâmica de movimento social e associativo. E tenho contribuído para tal. Mas a experiência fez-me perceber que não é possível promover a mudança urgente de que necessitamos sem um partido que se candidate a eleições. O próprio movimento social e associativo está a ser atacado. A nossa liberdade, saúde, educação, subsistência, as nossas vidas e as dos nossos filhos são diariamente postas em causa!

 

Chegou a altura de sermos consequentes!

 

Temos que criar um partido novo, que não tenha medo de ser governo e que seja uma ferramenta de poder para os que não têm voz. Realisticamente, em 5 anos. Mas para que isso seja possível precisamos de ir às eleições de 2015 conseguir o máximo de votos (e quem sabe eleger alguém) que nos permita ter visibilidade e recursos. Assim, poderemos criar bases sociais – locais, regionais, nacionais e internacionais –, círculos de discussão e actuação, tal como se fez em Espanha. Isto consegue-se com um partido. Com movimentos ou associações, a minha experiência diz-me que é muito difícil.

 

Continuar a dizer que não podemos, que somos poucos, mal preparados e que os espanhóis são super-heróis é, a meu ver, errado e apenas beneficia a casta corrupta governante.

 

O Podemos tinha poucos meses quando se candidatou às Europeias. E elegeu cinco deputados. Não tinha fundamentos políticos, organizativos nem éticos definidos. As assembleias populares do 15-M desconheciam ou eram (e ainda são) muito críticas do partido, estavam em decadência e a grande maioria já nem reunia. Hoje o Podemos está em primeiro lugar nas sondagens.

 

Em Portugal as pessoas estão desejosas por uma alternativa. Existem milhares de grupos e associações culturais, recreativos, ambientais, de intervenção comunitária e social, cheios de activistas experientes, certamente disponíveis a juntar-se a um movimento-partido democrático e participativo. E esses trarão consigo outros tantos, milhares, milhões de participantes e eleitores.

 

Sendo assim, porque é que quem está a iniciar esta dinâmica e tem vontade de fundar um partido continua a pregar sermões aos “Peixes Comunistas e Antipartidários Unidos”?

 

Podemos, sim, olhar para fora da bolha intelectual-vanguardista-urbana que ali se reuniu e chamar mais gente ao processo, de todos os géneros, classes, etnias, formações, mas que queira seguir um rumo comum: contra a casta e não uns contra os outros. A favor dos 99% da população que sofre diariamente com a ganância dos 1%.



 

Eu cá estarei. Porque, do que vi, a maioria das pessoas presentes tem vontade de avançar. Façamo-lo sem medo. Com audácia. E com coragem.

 

Até porque as manobras de que falei só demonstram uma coisa: é a casta quem tem medo de que não tenhamos medo!

NOTA: O nome Juntos Podemos, que está em discussão, parece-me ser má opção porque:

- “Juntos” - plural masculino, é contraditório com a igualdade de género que um partido assim deve defender.

- “Podemos” - não queremos ser uma filial do partido espanhol. Temos dinâmicas diferentes e, apesar da inspiração e dos bons-ventos, casamentos, só com soberania de bens! ;)

Proponho um inquérito/votação online para se encontrar um nome melhor.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Vídeo

Desde 2000, estima-se que dez mil crianças palestinianas tenham sido detidas pelo exército israelita. A cada 12 horas, uma será detida, interrogada, processada...

Maria vive para os Animais de Rua

Perfil // Advogada, activista e presidente de uma associação de protecção de animais,...